Petrobras: mais que se tornar, é preciso ser digital

O diretor-executivo de Transformação Digital da companhia, Nicolas Simone, conversou com a líder global da área de Customer Success e membro do  board da SAP, Adaire Fox-Martin. A Petrobras está migrando para o S/4HANA para tornar o home office uma rotina da organização.

A jornada da transformação digital na Petrobras está dividida em duas dimensões: se tornar digital e ser digital, conforme explicou Nicolas Simone, diretor-executivo de Transformação Digital da Petrobras, em conversa com Adaire Fox-Martin, líder global da área de Customer Success e membro do board da SAP, no terceiro dia do SAP NOW Brasil, realizado virtualmente.

Colocar a gigante brasileira de petróleo para se tornar digital exigiu a adoção de diversas plataformas tecnológicas e o endereçamento do legado. Já fazer a Petrobras ser uma empresa digital vai além e passa por uma profunda mudança cultural e novas maneiras de se pensar e trabalhar.

Nesse cenário, a pandemia da Covid-19 acelerou processos. “Foi um desafio e dizemos que fizemos quatro anos em quatro meses. Tínhamos a tecnologia, porque a havíamos implantado no último trimestre de 2019, mas a utilização dela pelas pessoas é algo que tem de ser trabalhado e cujo processo de mudança normalmente leva de um ano a um ano e meio”, contou.

A Petrobras já caminhava para ser mais digital. Em setembro do ano passado, foi criada uma diretoria de Transformação Digital e Nicolas Simone chegou para chefiá-la em outubro de 2019. “O que fizemos no período foi acelerar a criação da estratégia para a transformação digital. Mas claro que a Covid-19 adiantou todo o pipeline que nós tínhamos”, relatou o diretor, contando que, em uma semana, a companhia colocou 25 mil pessoas para trabalharem de casa, entregou seis mil laptops e usou todas a tecnologia e plataforma digitais que tinha à disposição para conectar seus profissionais.

O trabalho remoto deu tão certo que a Petrobras vai adotar uma estratégia de home office. “Nós temos de saber trabalhar a distância. Estamos migrando para o S/4HANA com as pessoas fazendo isto remotamente e está indo perfeitamente bem”, ressaltou. “No passado, jamais cogitaríamos isto”, disse o executivo.

A TI está envolvida em muitas esferas na Petrobras e é com base em novas tecnologias e inovações que a Petrobras pretende alcançar seu objetivo de reduzir para mil dias o intervalo entre a descoberta e a produção do primeiro óleo em projetos de águas profundas no Brasil, incluindo o pré-sal. 

“É um desafio enorme. E a SAP está nos ajudando a transformar dados em informação. Isso pode parecer fácil, mas somos uma empresa de 66 anos, com sistema legado e conectar tudo o que temos é uma tarefa difícil.” Entre os projetos, está a adoção de inteligência artificial e a criação de um digital twin ou gêmeo digital, que reproduz a plataforma física digitalmente para que possam ser feitos testes variados.