Receita global da SAP na nuvem sobe 27% no 1º tri de 2020

Companhia reportou o 19º trimestre consecutivo de crescimento, em dois dígitos, nas soluções em nuvem, impulsionado principalmente por Brasil e México.

O crescimento da SAP no primeiro trimestre de 2020 foi de 7% em receitas totais na comparação com o mesmo período do ano passado. Nas receitas das soluções em nuvem, o impulso foi considerável: o resultado foi de 27%, e os lucros subiram 1%.

“Partindo do bom desempenho no fim de 2019, tivemos os primeiros dois meses do trimestre de um forte e saudável crescimento. Com os desafios da Covid-19, nos beneficiamos da inerente resiliência de nosso modelo de negócios e a relevância do portfólio. A ênfase em criar mais previsibilidade de receita e a amplitude de setores e geografias nos deixou bem posicionados para o período que vem pela frente”, declarou o CEO Christian Klein.

A SAP reportou o 19º trimestre consecutivo nas soluções em nuvem, de dois dígitos, impulsionado principalmente por Brasil e México, suas maiores unidades. A companhia tem focado nos desafios da nova conjuntura e redobrou seu compromisso para apoiar seus clientes a transitar pelo novo cenário com soluções que tornam as operações mais inteligentes, aumentam a eficiência e adotam novas práticas.

“Nesta conjuntura sem precedentes, nosso foco principal é apoiar nossos mais de 46.800 clientes na região na continuação de suas operações e na adaptação rápida às necessidades do mercado”, afirmou o presidente regional para América Latina e Caribe da SAP, Claudio Muruzabal. “Uma lição que aprendemos nesta crise global é que a inovação e tecnologia, quando aplicadas para que o mundo funcione melhor, são indispensáveis para se adaptar e navegar qualquer cenário”, completa Noemie Heuland, CFO da região.

A receita previsível da SAP cresceu quatro pontos nos três primeiros meses do ano passando a 76%, como resultado da aposta no modelo em nuvem. Também por isso, a fatia de software sob licença caiu 31%. A margem operacional caiu 1,3 ponto percentual, para 22,7%. A empresa contabilizou €36 milhões em prejuízos por conta da não realização de eventos físicos, como o Sapphire NOW por conta da pandemia de Covid-19.